Com modernização, Bandeirantes ganharão mais 25 anos...

A Força Aérea Brasileira (FAB) modernizará sua frota de aviões Bandeirante. O programa deve contemplar num primeiro momento cerca de 80 Bandeirante e 60 Tucano utilizados pelo Comando da Aeronáutica em diversas missões e treinamento de pilotos.
Os militares chegaram a admitir a hipótese de comprar aeronaves européias para substituir o bimotor. Porém, a robustez da estrutura do Bandeirante fez que se buscasse recuperar as aeronaves produzidas pela Embraer. Com a modernização, a frota da FAB ganhará entre 20 a 30 anos de vida útil.

O total do contrato de modernização é estimado em US$ 16 milhões será firmado com a Embraer, que fará o gerenciamento do processo. No entanto, as inovações nos sistemas aviônicos dos aparelhos será definido até o final deste ano entre um consórcio brasileiro e a Elbit Systems, de Israel.
Os aviões receberão desde piloto automático, displays, sistemas de controle e informação de vôo, um novo projeto de elétrica e eletrônica de bordo e a troca integral dos painéis. Praticamente será utilizada somente a estrutura do avião, pois os equipamentos de vôo serão todos trocados.

Atualmente, os mecânicos aeronáuticos da FAB encontram dificuldades para manter os Bandeirante com funcionamento integral. Além de obsoletos, os equipamentos de vôo deixaram de ser produzidos e os sistemas de navegação aérea estão ultrapassados para os padrões de exigência em vigor.


Número de aeronaves diminuiu e valor do contrato aumentou.

A Aeroeletrônica, de Porto Alegre (RS), foi selecionada pela Força aérea Brasileira (FAB) para participar do programa de modernização de 54 aeronaves Bandeirante, em operação desde os anos 70. A empresa, segundo o chefe da Diretoria de Material Aeronáutico e Bélico (Dirmab) da FAB, brigadeiro Hélio Paes de Barros Júnior, fornecerá uma nova aviônica para os aviões, termo utilizado para os sistemas elétricos e eletrônicos, tais como navegação, comunicação, dados de voo e sistemas de controle.
O investimento previsto, de acordo com Barros Júnior, é da ordem de US$ 35 milhões. Das 54 aeronaves que serão modernizadas, 10 são de patrulha marítima. A frota atual de Bandeirante da FAB é de 80 aviões, mas a modernização só incluiu os modelos mais novos, de acordo com o diretor da Dirmab.
Fabricado na década de 70, o Bandeirante foi produzido durante quase 20 anos pela Embraer. Atualmente o modelo ainda é muito utilizada pela FAB em instrução básica de pilotos de aeronaves de transporte e em missões de busca de salvamento. A FAB opera a aeronave em sete esquadrões de transporte aéreo. “Consideramos o Bandeirante um avião extremamente seguro e com a modernização ele ganhará uma sobrevida de mais 25 anos”.
O programa de modernização da aeronave, segundo o brigadeiro Barros Júnior, é considerado estratégico para a Aeronáutica e contemplará não só a parte de aviônica, como também o hardware (bomba, sistema de combustíveis, hidráulica e ferragens), documentação técnica e estrutura. Esta última, de acordo com o diretor da Dirmab, será feita através de licitação e demandará um investimento de US$ 10 milhões.

Controlada pelo grupo israelense Elbit, a empresa Aeroeletrônica, já participa de outros programas de modernização da FAB, atualmente em andamento: 45 caças F-5, que será concluído em breve e consumiu um total de R$ 120 milhões e o AMX, que contempla a revitalização da aviônica de 53 aeronaves, um projeto da ordem de R$ 740,7 milhões. Os 99 Supertucano comprados pela FAB da Embraer, com a designação ALX, também possuem aviônica Elbit/Aeroeletrônica. O desenvolvimento e a produção desses aviões teve um custo total de R$ 449,7 milhões.

Fonte: Gazeta Mercantil e Valor Econômico.


Acima, um painel de aeronave Bandeirante na configuração atual, sem modernização.

4 comentários:

  1. Eu tive a honra de, junto com minha equipe de trabalho, fazer parte desse processo de revitalização do Bandeirante. Literalmente colocando a mão na massa realizando trabalhos de: pintura, selagem e ensaios não destrutivos por Líquido Penetrante. Isso tudo em plena semana de Natal, trabalhando nos dias 22, 23, 24 e 26 de Dezembro. Na hora eu fico contrariado, mas depois eu só lembro do valor do trabalho e do quanto aquele trabalho entrará para a história do nosso Bandeco.
    Ass: Paulo César, o mecânico de chapas.

    ResponderExcluir
  2. É Paulo... são "ossos do ofício"... (rs)
    Estamos aguardando a chegada do material da Aeroeletrônica para postarmos no blog um artigo mais detalhado das novas configurações de aviônicos do Bandeirante modernizado.
    Creio que vai ser muito interessante.
    Aguarde! :)

    ResponderExcluir
  3. muito bom ver um produto nacional como bandeirante voar por mais anos ,gosto de ver atitude como essa ,porque em vez de comprar tanques de segunda mão não frabrica o ozorio atualizado, independencia e valaorização da industria nacional,

    ResponderExcluir
  4. Alguém saberia dizer se a motorização será atualizada também?

    ResponderExcluir

Obrigado pelo teu comentário. Ele será lido pelo moderador e em seguida publicado.